Seminário SP 2019

Pesquisa relata impactos na vida de pacientes de câncer

“Sem chão”. Esse foi o primeiro sentimento que a servidora pública, Osmarina Gomes, de 55 anos, e sua família tiveram após ser diagnosticada com câncer de mama, em 2001. Mas, após receber o apoio da família e realizar todo o tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), hoje é uma das sobreviventes do câncer. Casos semelhantes ao de Osmarina foram o objeto da pesquisa “Compreendendo a Sobrevivência ao Câncer na América Latina: os casos do Brasil”, divulgada pelo Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (INCA), em 04/02, na sede do INCA, no Rio de Janeiro, durante cerimônia em alusão ao Dia Mundial do Câncer.

Com o crescimento do número de casos novos e as atuais taxas de sobrevida para o câncer no Brasil, o número de pessoas que sobrevive à doença tem aumentado significativamente, tornando o acompanhamento desse grupo um grande desafio para a rede de saúde. Desta forma, o estudo apresentado tem uma abordagem qualitativa e aprofundou temas ligados à sobrevivência em entrevistas com pacientes e familiares.

De acordo com a diretora do Departamento de Atenção Especializada e Temática, do Ministério da Saúde, Maria Inez Gadelha, o levantamento é importante para identificar que a população é a principal aliada na prevenção da doença. “O controle do câncer exige muito mais que acesso, organização de serviço, diagnóstico e tratamento. Ele exige uma população atenta, consciente de que ela tem o maior ativo nesse controle. Se nós adotarmos hábitos saudáveis de vida, combater o sedentarismo e o tabagismo, poderíamos evitar cerca de 70 mil mortes por câncer”, pontuou dra. Maria Inez Gadelha.

Para o estudo, foram entrevistados 47 indivíduos diagnosticados há pelo menos 12 meses com câncer de próstata, mama, colo de útero ou Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA) e 12 familiares/cuidadores, em hospitais públicos e privados, nas capitais Rio de Janeiro (RJ) e Fortaleza (CE) em 2014 e 2015.

A maioria dos entrevistados já havia sido submetida ao tratamento e estava na fase de acompanhamento oncológico, que pode durar até cinco anos. Outros entrevistados ainda estavam na fase final do tratamento ou no período de tempo entre 5 e 18 anos após o diagnóstico. De acordo com o INCA, estudos apontam que, a sobrevida mediana estimada, com base em registros de câncer, para o câncer de mama é de 75%, para o câncer de próstata, de 92%, para o câncer do colo do útero, de 60% e para LLA na infância, 66%.

A pesquisa “Compreendendo a Sobrevivência ao Câncer na América Latina” se baseou em três vertentes: consequências físicas, emocionais e socioeconômicas do tratamento; mudanças no estilo de vida; e atendimento pela rede de atenção oncológica pública e privada. Entre alguns dos resultados, foi apontada a importância de se ter suporte emocional não só para os pacientes como também para os familiares, que também sofrem no processo. Outra constatação foi que a doença estreitou laços afetivos e atraiu a manifestação de apoio e solidariedade vindos de grupos familiares, religiosos, colegas de trabalho e também dos profissionais de saúde.

A pesquisa trouxe o relato dos pacientes e de familiares que apontaram a necessidade de alterações nas atividades do dia a dia, após o tratamento da doença. Eles citam, por exemplo, o retorno às atividades laborais, alguns agora com restrições físicas e emocionais importantes. Ainda nos relatos, os familiares, em função do cuidado intensivo que alguns indivíduos com câncer passam a demandar, destacaram a necessidade de adaptar horários de trabalho e lazer.

Ainda durante a cerimônia no Inca, foi lançada a Campanha “Eu sou e eu vou”, da União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), da qual a diretora-geral do INCA, Ana Cristina Pinho, é integrante. A ação tem o objetivo de fazer um apelo ao compromisso pessoal e representar o poder que uma ação individual tomada no momento presente tem de impactar o futuro. Além disso, a campanha tem o intuito de informar ao indivíduo que ele tem o poder de reduzir o impacto do câncer na sua vida, na vida das pessoas com quem convive e no mundo. A campanha terá duração de três anos (2019-2021).

“A campanha é importante porque nos faz compreender nosso papel na sociedade em relação à doença. E mostra que podemos mudar nossos hábitos, nos informar, ter um papel de destaque, com relação à prevenção da doença”, destacou a diretora-geral do Instituto Nacional de Câncer (INCA), Ana Cristina Pinho.

HÁBITOS SAUDÁVEIS CONTRIBUEM NO TRAMENTO DO CÂNCER

Fonte: Google imagens

Estimular o consumo de alimentos frescos e ricos em nutrientes, reduzir o sedentarismo, além de evitar o uso abusivo de álcool e o tabagismo, por exemplo, podem contribuir na mudança dos comportamentos de risco para doenças crônicas, como o câncer. Por isso, o Ministério da Saúde trata esses temas como prioridade.

Desde 2011, os municípios recebem recursos financeiros para implantar o programa Academia da Saúde. Atualmente, o programa conta com mais 3.800 polos habilitados. Nesses locais, a população pode contar com uma infraestrutura e equipamentos adequados; e profissionais qualificados para promover práticas corporais e atividade física, promoção da alimentação saudável e educação em saúde. Além disso, a pasta adotou internacionalmente metas para frear o crescimento do excesso de peso e obesidade no país.

Outra ação para a promoção da alimentação saudável é o Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde. Em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA), o Ministério também conseguiu retirar mais de 17 mil toneladas de sódio dos alimentos processados em quatro anos.

PREVENÇÃO E TRATAMENTO

O Sistema Único de Saúde oferta exames preventivos, como mamografia e papanicolau, e tratamento integral e gratuito para todos os tipos de câncer, seja paliativo, medicamentoso, cirurgias oncológicas, radioterapia e quimioterapia. Todos os hospitais do SUS, habilitados em oncologia, recebem mensalmente recursos federais para a compra e oferta de medicamentos. Em 2018, o Ministério da Saúde destinou R$ 5 bilhões para essas unidades.

O Ministério da Saúde também oferece gratuitamente outros sete medicamentos: a talidomida para o tratamento do mieloma múltiplo, do mesilato de imatinibe para a quimioterapia do tumor do estroma gastrointestinal (GIST), da leucemia mieloide crônica e da leucemia linfoblástica aguda cromossoma Philadelphia positivo; o trastuzumabe, para a quimioterapia do carcinoma de mama inicial e locorregionalmente avançado; o rituximabe, para a quimioterapia do linfoma difuso de grandes células B e do linfoma folicular; e o dasatinibe e onilotinibe para a quimioterapia da leucemia mieloide crônica de adultos.

Para o Brasil, foram estimados para 2018 e válidos para 2019, 417.010 novos casos de câncer (excluindo câncer de pele não melanoma). O de próstata ocupa o primeiro lugar geral e o primeiro entre os homens, com 68.220 novos casos. O de mama é o segundo total e o primeiro entre as mulheres com 59.700 novos casos. O do colo do útero ocupa o sexto lugar geral e o terceiro entre as mulheres, com 16.370 novos casos, enquanto as leucemias estão em nono lugar, com 10.800 novos casos, de acordo com o INCA.

 

 

Fonte: Ministério da Saúde

http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/45176-pesquisa-do-inca-relata-impactos-na-vida-de-pacientes-curados-do-cance

Caso não consiga fazer o download pelo botão, faça-o por aqui.

Você também vai se interessar por...