Primeiro diagnóstico molecular da endometrite crônica melhora o prognóstico reprodutivo de pacientes inférteis

Primeiro exame para o diagnóstico molecular da endometrite crônica é lançado a partir da publicação científica titulada The diagnosis of chronic endometritis in infertile asymptomatic women: a comparative study of histology, microbial cultures, histeroscopy and molecular microbiology, publicada no American Journal of Obstetrics and Gynecology. A nova análise tem a sensibilidade e especificidade equivalente à combinação dos três métodos clássicos de diagnósticos.

Fonte: Google imagens

A endometrite crônica é uma inflamação persistente da mucosa endometrial (que reveste a parede interna do útero) causada por patógenos bacterianos e, apesar de ser assintomática, afeta as chances de gravidez. Segundo o estudo, a endometrite crônica está presente em 40% das mulheres inférteis, 66% das mulheres com histórico de falhas de implantação e 57% das daquelas com ocorrência de aborto de repetição.

O novo teste, que já disponível no Brasil, leva o nome de ALICE (Análise de Infecção por Endometrite Crônica) e identifica os nove patógenos frequentemente responsáveis pela infecção, entre eles, Enterobacteriaceae, Enterococcus, Streptococcus, Staphylococcus, Mycoplasma e Ureplasma.

“Até o momento, o diagnóstico desta doença era realizado por histologia (análise microscópico da biópsia do endométrio), que era conveniente combinar com um cultivo microbiano para tentar aumentar sua eficácia. No entanto, nem todos os microrganismos implicados crescem em cultivo, para ser mais exata, apenas entre 20% e 60% dessas bactérias podem ser cultivadas em condições padrão de laboratório, o que provocava a perda de informação importante. Uma terceira opção de diagnóstico, era fazer uma histeroscopia da cavidade uterina, porém este método exige cirurgia e não é específico na identificação das bactérias patogênicas que estão provocando a infecção”, explica Dra. Inmaculada Moreno, cientista da Igenomix e autora principal da pesquisa.

“Nosso objetivo foi desenvolver o diagnóstico molecular equivalente, em termos de sensibilidade e especificidade dos três métodos clássicos juntos, superando as incompatibilidades de resultados de cada um deles separadamente e em conjunto”, esclarece Dra. Inmaculada.

O estudo publicado incluiu 65 pacientes diagnosticadas com endometrite crônica pelos três testes clássicos.

A importância da flora endometrial no sucesso reprodutivo

Estudos publicados recentemente em revistas científicas internacionais demonstram a importância do microbioma para o sucesso da gravidez.

Os seres humanos possuem 10 vezes mais bactérias que células. Em um corpo de 70 kg, por exemplo, podem habitar entre 30 e 50 trilhões de bactérias. Até pouco tempo, acreditava-se que o endométrio era um ambiente livre de bactérias, no entanto foi comprovado o contrário e que, a população de bactérias do endométrio poderia explicar causas de infertilidade até então desconhecidas.

Conhecer o microbioma endometrial da mulher permite melhorar os tratamentos de reprodução assistida. Além de proporcionar o diagnóstico de patologias que produzem a infertilidade, como a endometrite crônica, o estudo do microbioma permite identificar se as bactérias que compõem a flora do endométrio são as adequadas para que a gravidez possa acontecer.

O grupo de pesquisadores envolvidos no desenvolvimento do novo diagnóstico encontrou por meio de sequenciamento de nova geração de uma amostra de mulheres saudáveis, dois tipos de perfis de microbiota: “dominado por Lactobacilos (LD)” e “não dominado por Lactobacilos”, este último, com uma taxa reduzida de implantação embrionária e maior incidência de abortos (60%).

“Com base nos resultados de nossa pesquisa, foi desenvolvido o teste EMMA (Análise Metagenômica do Microbioma Endometrial), que permite identificar se o perfil das bactérias do endométrio é favorável ou se é preciso um tratamento probiótico antes da chegada do embrião no útero materno para aumentar as chances de gravidez”, esclarece Dra. Marcia Riboldi, responsável pela Igenomix Brasil.

 

 

Fonte: Lab Network

https://www.labnetwork.com.br/noticias/primeiro-diagnostico-molecular-da-endometrite-cronica-melhora-o-prognostico-reprodutivo-de-pacientes-inferteis/

Caso não consiga fazer o download pelo botão, faça-o por aqui.

Você também vai se interessar por...